Perguntas do Pedro Dória, e algumas respostas

Sábado passado briguei com a namorada,  e por conta dessa briga acabei ficando em casa, ensimesmado, sem ter o que fazer. Ao entrar na internet soube dos devastadores ataques de Israel a Gaza, depois do fim da tregua entre as duas partes.

Sem nada de melhor pra fazer, decidi entrar no debate no terreno minado que é a caixa de comentários do blog do Pedro Dória. As pazes com a namorada vieram já no sábado à noite – mas o debate sobre Israel vs. Palestina… Bem, podem conferir o resultado nos postos do Pedro sobre o assunto – aqui, aqui e aqui.

Eu me ausentei do debate no últimos dias porque , bem, tinha de trabalhar (até o dia 31) e comemorar o fim do ano era uma opção bem mais aprazível.

Só que agora o Pedro convoca as pessoas que contestam a sua posição pró-Israel a responder três perguntas, e eu, de papo pro ar nesse da 1º, não consigo resistir. Confiram o texto do Pedro pra entender o contexto das perguntas e vamos lá:

“1. Israel tem o direito de existir onde existe?”

Essa questão é de um lado, completamente irrelevante e, de outro, uma das questões essenciais a se tomar posição. O segredo, talvez, esteja no tempo verbal da pergunta.

Israel  tem o direito de existir onde existe? Bem, como os judeus que moram lá nunca irão embora voluntariamente, se você responder “não” a essa pergunta, vai ter que concordar, em última instância, com uma limpeza étnica ou com a Solução Final 2 – A Missão. A pergunta, então, se torna apenas um instrumento retórico, que pode tanto ser usado pra desmascarar antissemitas (se escreve assim agora, a partir de hoje...) quanto pra encurralar debatedores de boa vontade.

Os debatedores de boa vontade, porém, podem reformular sutilmente a pergunta: Israel tinha o direito de existir?

A coisa agora muda de figura. Responder sim ou não ainda é uma armadilha, mas respostas não precisam ser binárias. A minha é a seguinte: os árabes não tinham nenhuma obrigação de aceitar o Estado de Israel. Mas os judeus, após o Holocausto, e principalmente, após a recusa de todos os países do mundo a acolher os sobreviventes da II Guerra como refugiados, não tinham também nenhuma outra alternativa que não fosse fundar Israel.

A criação de Israel é, portanto, um evento trágico. Não deveria acontecer, mas não tinha como deixar de acontecer. (A não ser que os árabes tivessem vencido a guerra, o que no entanto geraria imediatamente um problema humanitário tão difícil quanto o que temos hoje….) Tentar jogar a culpa em um ou outro lado é improdutivo, e leva a tentar resolver a questão pela força – o que é garantia de sacrifícios terríveis, contínuos e inúteis para os palestinos e suicídio moral a longo prazo para os israelenses.

Aceitar a resposta que eu dei, no entanto, terá implicância na resposta para a segunda pergunta;. Vamos a ela:

2 – Os israelenses que conheço aceitam na hora que lhes for oferecido um acordo de paz que preserve as fronteiras de 1967 e divida Jerusalém em dois. O governo de Israel, se os países árabes oferecerem algo assim em troca de paz, assina na hora. Pessoalmente, acredito que até um governo do Likud assina um acordo definitivo de paz assim. Basta suspender as agressões de parte a parte. (Não estou sugerindo, com isso, que tal oferta é simples de fazer ou que Israel seja inocente; Israel é paranóica.)

Um acordo assim é justo?

Sim, sim, claro, dou até o link da carta do Uri Avnery para o Barack Obama. 

Mas, se os termos do acordo já foram cristalizados, como diz o Avnery, há dois pontos que precisam ser ressaltados sobre como chegar nesse acordo. Um é difícil de aceitar pelos israelenses, o outro pelos palestinos.

a) Os israelenses tem que admitir que, a despeito de estarem “encurralados” pela preponderância árabe na região (é até verdade, mas há uma malandragem retórica nisso, que vou explicar na respósta à terceira pergunta), eles falharam em construir qualquer confiança com os árabes. Porque, de Oslo a Camp David, persistiu entre os negociadores israelenses uma insistência em impor conquistas feitas à força para depois os palestinos aceitarem a imposição como um fato. Basicamente, repetir em menor escala o que foi feito em 1948. Israel tem que renunciar a essa atitude, em definitivo.

Porque, depois de 1948, e principalmente, 1967, o que Israel impõe não é mais a sua sobrevivência pura e simples, mas coisas bem menos nobres. Desde os ultrajes mais lembrados – como a construção das colônias em território que devia ser dos palestinos , os terrenos confiscado para a construção do muro de separação, etc… – até outros mais esquecidos, mas não menos importantes – como o controle de águas e estradas, que transformariam os territórios palestinos em bantustões. Esse últimos, nunca é demais lembrar, estavam na  tal “oferta generosa” de Camp David.

O problema é que, para os palestinos, isso é terra deles, que os israelenses tomaram pela força. Os palestinos não foram responsáveis pelos motivos que levaram os judeus a fundar Israel – por que então eles teriam que aceitar essas imposições de força como se fossem justas, até hoje? Um trecho de um artigo do NYRB sobre o fracasso de Camp David explica o que está em questão[os grifos são meus]:

“For all the talk about peace and reconciliation, most Palestinians were more resigned to the two-state solution than they were willing to embrace it; they were prepared to accept Israel’s existence, but not its moral legitimacy. The war for the whole of Palestine was over because it had been lost. Oslo, as they saw it, was not about negotiating peace terms but terms of surrender. Bearing this perspective in mind explains the Palestinians’ view that Oslo itself is the historic compromise—an agreement to concede 78 percent of mandatory Palestine to Israel. And it explains why they were so sensitive to the Israelis’ use of language. The notion that Israel was “offering” land, being “generous,” or “making concessions” seemed to them doubly wrong—in a single stroke both affirming Israel’s right and denying the Palestinians’. For the Palestinians, land was not given but given back. ”

A incapacidade de Israel de perceber essa diferença essencial de percepção entre eles e os palestinos acaba fazendo surgir uma decadência moral, em que o esquecimento do ponto de vista do outro lado faz com que os israelenses se tornem cada vez mais dependentes da força, veneradores mesmo do uso dela. Mas, como lembra o David Foster Wallace, “worship power, you will end up feeling weak and afraid, and you will need ever more power over others to numb you to your own fear”.

A veneração da força tem degenerado moralmente Israel, há um bom tempo.

b) Do lado palestino, está a questão dos refugiados. O problema é que a solução realmente justa – a volta pura e simples dos refugiados – é impossível, os palestinos têm que admitir. O que resta é tentar construir uma solução negociada, que consiga desmontar a paranóia israelense e ao mesmo tempo não seja vista como uma sujeição humilhante pelos palestinos.

A sugestão do Uri Avnery, para isso, é a seguinte:

“Israel reconhecerá o princípio do direito de retorno dos refugiados. Uma Comissão Conjunta de Verdade e Reconciliação, composta por palestinos, israelesnses e historiadores internacionais estudará os fatos de 1948 e 1967 e determinará quem foi responsável por cada coisa. O refugiado, individualmente, terá a escolha de 1) repatriação para o Estado da Palestina; 2) permanência onde estiver agora, com compensação generosa; 3) retorno e reassentamento em Israel; 4) migração a outro país, com compensação generosa. O número de refugiados que retornarão ao território de Israel será fixado por acordo mútuo, entendendo-se que não se fará nada para materialmente alterar a composição demográfica da população de Israel. As polpuldas verbas necessárias para a implementação desta solução devem ser fornecidas pela comunidade internacional, no interesse da paz planetária. Isto economizaria muito do dinheiro gasto hoje militarmente e a partir de presentes dos EUA.”

Gosto um bocado da idéia de botar a comunidade internacional pra pagar a conta. Eu sugeriria, particularmente, que fossem listados todos os países que se recusaram a receber refugiados judeus após a II Guerra…

Mas há nessa sugestão, pelo menos, um erro lógico, e uma dificuldade que foi convenientemente esquecida.

O erro lógico está em dizer que “o número de refugiados que retornarão ao território de Israel será fixado por acordo mútuo, entendendo-se que não se fará nada para materialmente alterar a composição demográfica da população de Israel”. Ora, a integração de refugiados irá, por definição, “alterar materialmente a composição demográfica da população de Israel”. Se não alterar, será irrelevante. O que o acordo deve definir, na verdade, é o quanto de alteração demográfica poderia ser feita sem ameaçar a existência de Israel.

Mas isso é só um erro de formulação, o problema não deixa de ser o mesmo. O bicho pega em outro aspecto: como fazer os dois lados chegarem nesse acordo? Vejam a situação: de um lado temos um paranóico, venerador do poder que obteu para poder afastar o próprio medo. Do outro, um ressentido, que “não conseguiu responder em tempo a uma agressão e rumina a vingança que não será perpetrada” – ou não tem como perpetrar.

Percebam a magnitude da dificuldade: temos que criar confiança entre um país paranóico e outro ressentido. De um lado, Israel não consegue se convencer de que ficará seguro, e vê como justa qualquer opressão necessária pra garantir essa segurança; do outro, a Palestina, que não tem como reverter a tragédia de 1948, mas não consegue deixar de ruminar vingança contra o agressor (do ponto de vista árabe, não dá pra ver os sionistas de outro modo) enquanto adia a solução de seus problemas efetivos, que poderiam vir de um acordo de paz.

Óbvio que há algo de caricatura em chamar israelenses de paranóicos e palestinos de ressentidos nesses termos. Mas a caricatura não deixa de ser o exagero dos elementos que definem pessoas e países, não?

3 – “Mas o que é uma reação proporcional justa? O que quero dizer é: Israel pode se defender? E, ao se defender, o que pode fazer?”

A dificuldade a responder a essa pergunta não é só de Israel, mas está na própria natureza que guerra adquiriu no século XX.

A guerra aérea é uma regressão moral em si mesma. O Hobsbawn coloca como epígrafe de um dos capítulos d’ A Era dos Extremos, uma frase de um analista militar em que ele diz o seguinte: logo que começaram a fazer bombardeios aéreos os exércitos perceberam que com aquela ação já não era possível diferenciar civis e militares, e que qualquer tentativa dos exércitos em tentar diferenciar um do outro em seus ataques poderia ter efeito de propaganda, mas não efeito real. Mais inocentes morreriam, fatalmente, a partir do momento que essa nova tecnologia militar  começasse a ser usada.

Claro, alguns defensores da Guerra do Iraque falavam a sério de “ataques cirúrgicos”, mas enfim, fé é matéria para os crédulos…

Diante da regressão moral que os ataques aéres são em si mesmo (regressão moral do qual o Hamas não escapa com seus Qassams, diga-se de passagem), fica difícil definir o que seria uma reação proporcional justa. Eu também faço a mesma pergunta, e também não consigo saber qual é a resposta, e me recuso a entrar no paradoxo moral do contra-terrorismo (que vou explicar depois).  Em um raciocínio simétrico, poderia ser atacar os pontos de onde os mísseis são atirados, ao invés de investir contra a estrutura do Hamas. Mas achar os lançadores do Qassams é como achar agulha num palheiro, o que torna a resposta materialmente impossível e, portanto, não válida.

O que resta é lembrar alguns fatos que são malandramente distorcidos ou esquecidos:

a) O Hamas, sozinho, não tem como destruir Israel, hoje. Com a força de seus Qassams, o máximo que ele pode conseguir hoje é desocupar as cidades vizinhas num raio de uns 30 ou 40 km (não lembro qual é o alcance exato desses mísseis ). Se alguma sobrevivência está sendo defendfida , é a das cidades que estão na fronteira com Gaza. O que Israel quer é impedir de toda e qualquer maneira que o uso da força possa ser uma opção para os palestinos. Faz isso porque encara qualquer vitória pela força de um inimigo seu como uma ameaça direta à sua sobrevivência. (Relembre o dito do DFW sobre a veneração do poder). A prerrogativa do uso da força é toda de Israel, mesmo quando o inimigo tem um poder muito menor, como que é o caso do Hamas.

As análises do contexto militar do conflito feitas pelo Elias e pelo Gabriel no blog do Pedro Dória, apesar de excelentes, cometem a seguinte malandragem: aplicam ao Hamas as propriedades dos exércitos árabes ao redor de Israel. A fragilidade de Israel é diante desses países árabes, mas não do Hamas. Claro, o Hamas é manipulado pelo Irã, e o Hamas pode ser usado para “amaciar” Israel para uma guerra maior, sabemos disso – mas guerra, guerra mesmo, efetiva, é entre Hamas e Israel.

b) O paradoxo moral do contra-terrorismo: ataques aéreos matam muito mais do que atentados terroristas. Vejam a guerra no Líbano de 2006, as guerras americanas no Afeganistão e no Iraque… Mesmo quando o motivo é justo, mesmo quando não se pode não reagir, etc, etc, os custos humanos de um ataque aéreo contra aqueles que perpetram atentados terroristas sempre acabam se tornando maiores do que os custo humano do terrorismo em si. O paradoxo não está em Israel ou nos EUA, mas na guerra aérea moderna em si, como lembra a citação feita pelo Hobsbawn.

O problema dos apologistas de Israel, ao que me parece, é que tentam fugir desse paradoxo. Isentam Israel da responsabilidade de “apertar o gatilho”, de ser aquele que toma a decisão de fazer os ataques desse jeito. O Hamas sabe o que está provocando, Egito e Arábia Saudita dizem amém, mas é Israel que toma a decisão. Dessa responsabilidade não há como fugir.

Por fim, a conclusão é que a pergunta oferece dificuldade demais e solução de menos. Que tal reformular a pergunta: “Como Israel deve se defender, para garantir sua sobrevivência no longo prazo?

Porque o uso unicamente da força para garantir a sua existência é suicídio por parte de Israel. No longo prazo, pela força, Israel pode ou ser derrotado e destruído, ou então vencer mas ter que tratar como cidadãos de segunda classe os palestinos que vivem em territórios dominados por ele, na Gaza e na Cisjordânia. É uma escolha entre a destruição física ou a destruição moral.

Os israelenses têm que, a todo custo,  recusar essa escolha. Se têm que se defender, devem ter em mente que estão aplicando um veneno como remédio, e que insistir nesse veneno vai matá-los no decorrer do tempo.

Eu sei que isso não responde à pergunta diretamente. Mas dá, pelo menos, algum parâmetro para uma resposta.

Epílogo

Mas qual seria o sinal para Israel tentar largar a paranóia? Quando os israelenses poderiam ter certeza que sua existência está garantida? Eu gosto da resposta que eu dei uma vez para o David Butter: quando Israel puder disputar as eliminatória da Copa do Mundo pelo Oriente Médio, e não pela Europa. A partir desse momento, Israel não seria mais “uma cabeça-de-ponte, um cruzado” nas palavras do Uri Avnery neste belíssimo texto, mas estaria definitivamente integrado ao Oriente Médio, e o fato de ser uma democracia poderia finalmente ser um exemplo para os outros países da região.*

Além de ser uma maneira bem mais fácil de chegar a uma Copa do Mundo, o que é mais importante do que qualquer objetivo geopolítico. :)

*Corrigido depois do comentário do Chesterton.

Anúncios

20 Respostas para “Perguntas do Pedro Dória, e algumas respostas

  1. bem, além de copiar o lay-out do PD, a verdade é que não consegui seguir todo teu raciocínio. Resuma. Sintetize.

  2. o fato de ser uma democracia poderia finalmente ser um exemplo para outros países.

    chest- isso só pdoe ser piada, não é?

  3. O layout é do WordPress, eu e o Pedro é que temos preguiça de bolar um layou próprio. Aliás, tenho preguiça até de colocar links no meu blog…

    E pô, chesterton, sacanagem, o meu post por si só já prova que síntese não é o meu forte. :P

    Ok, vou tentar:

    1 – Israel tem direito de existir?

    Bem, fazê-lo deixar de existir seria promover um segundo holocauso, então isso está fora de cogitação. Mas é preciso entender que os árabes não tinham obrigação nenhuma de aceitar o Estado de Israel. Isso faz diferença quando se quer negociar a paz.

    2-Um acordo de paz nos termos em que é aceito hoje pelo establishment israelense é justo?

    Sim, todos os homens que não tem compromisso com a barbárie assim concordam, dos dois lados. A carta do Uri Avnery pro Obama é ponto de partida muito bom.

    Mas há dificuldades várias para implementá-lo – a dificuldade de Israel em entender efetivamente o que 1948 significou para os árabes, a paranóia e a veneração do poder por parte de Israel e o ressentimento palestino.

    Além da terrivelmente espinhosa questão dos refugiados palestinos.

    3 – Israel tem o direito de se defender? O que seria uma resposta proporcional?

    A pergunta é um buraco sem fundo, insolúvel. A insolubilidade está na própria guerra moderna, com o uso de ataques aéreos e outras maneiras de guerrear sem o contato físico e visual com o outro combatente.

    A guerra moderna cria um paradoxo moral em qualquer combate contra militantes terroristas: responder com uma guerra convencional moderna contra terroristas no fim das contas causa mais mortes que o terrorismo em si.

    A solução para Israel, então, seria não jogar esse jogo, e tentar jogar a questão para a negociação política. Continuar com a guerra é um veneno, que eventualmente pode curar, mas quanto mais é usado, mais debilita a posição de Israel no mundo.

    Admito que não é uma resposta satisfatória, mas não consigo responder de outro jeito sem entrar no paradoxo moral de que falei antes.

    Porra, até os meus resumos são prolixos! :P

  4. Cosme,

    Parabéns pelo belo texto! De forma muito melhor do que eu faria, revela o que está por trás da manipulação das palavras. Algo que chamei de “palavras gastas”, aliás tão gastas pela repetição excessiva, que perdem o peso e o valor.

    Muito bom o seu blog. Voltarei outras vezes.

    Abraço

  5. “o fato de ser uma democracia poderia finalmente ser um exemplo para outros países.

    chest- isso só pdoe ser piada, não é?”

    Ah, na verdade, eu quis dizer países do Oriente Médio. Só esqueci de escrever. Mas já está corrigido. ;)

    O caldo de cultura que gera o fundamentalismo vem, entre outras coisas, do fato que nos países árabes a “modernidade” não adquiriu o significado positivo que temos aqui, de democracia e desenvolvimento, mas sim o de uma ditadura laica oprimindo uma oposição política religiosa. É o caso do Egito, por exemplo, de onde veio sair a Irmandade Muçulmana e Sayyd Qutb, o inspirador de Bin Laden. O mesmo pode ser falar do Irã e do governo modernizador do Xá.

    O curioso é que, nessa coalizão para massacrar o Hamas, temos o estado laico de Israel como executor-responsável, com o amém das autoridades laicas do Fatah e da ditadura egípcia, junto com os wahabitas da Casa de Saud – rivais do Irã no domínio da região.

    Mesmo não tendo nenhuma simpatia pelo que o Hamas representa, temos que prestar atenção no poderoso efeito simbólico que há em vários governos laicos (mais um governo vinculado a uma linha rival da mesma religião) unidos (ou em aquiescência) para massacrar um movimento religioso.

  6. macacos me mordam. que texto longo e chato.

  7. Pô, Sunda, o texto é longo e chato e vc ainda se deu o trabalho de comentar? Tá com mais tempo livre do que eu. :)

  8. jackpot! eu não faria análise melhor sobre a atual situação!

  9. Cosme,

    Ora pois, questão de gentileza e feedback…

    Críticas construtivas ainda que um tanto ríspidas.

    • Obrigado, e desculpa pela resposta um tantinho atravessada – apesar de bem humorada. É que eu, como psicopata da razoabilidade que sou, não vejo como falar desse assunto sem considerar vários argumentos, pontos de vista… Além disso, eram coisas que eu queria escrever há muito tempo, idéias demais para serem resumidas.

      Além da prolixidade inelutável, mas se eu escrever mais isso melhora. ;)

  10. Pingback: E Israel entrou com as tropas em Gaza | Pedro Doria

  11. “responder com uma guerra convencional moderna contra terroristas no fim das contas causa mais mortes que o terrorismo em si. ”

    Esse teu paradoxo do contra terrorismo meio que inexiste, né ?

    Por exemplo, o Hamas mantem franco atiradores no topo de predios escolares, ou hospitais;

    Que se fará ? Uma ação militar poderá matar inocentes; Uma ida “policial” será inútil, dado o aviso prévio que se dará ao terrorista…

    Uma nação vitima de terrorismo tem primeiro obraigação com os seus; Os que não querem sofrer no caminho desta proteção não devem apoiar os terroristas, dado que o terror é crime internacional, e crime que qualquer bom senso pede punição…

    Pode-se alegar “luta contra ocupação”; Mas mesmo uma luta contra ocupação, e dada a disparidade de forças, deve ser feita mediante bom senso;

    Aqui mesmo no Brasil, a maioria da população desautorizava a ditadura, mas também a luta armada, com sua explosão de aeroportos, sequestros e roubos a bancos; imagine atos de terror !!

  12. Jose, não há muita diferença moral entre um atentado terrorista e uma bombardeio aéreo que sabidamente matará mais civis do que qualquer atentado. Teoricamente os mortos civis numa bombardeio são apenas “danos colaterais”, não são o objetivo ultimo, mas vá explicar isso para os familiares das vitimas. Na pratica acaba sendo, sim, pior. 2000 morrem no WTC e em nome desses os EUA mataram muito mais civis inocentes no Iraque com seus bombardeios “cirurgicos” e demais trapalhadas (sem contar as vitimas dos efeitos da ocupação, um numero que no total chega às centenas de milhares). A idéia de que a vida desses palestinos e iraquianos inocentes são um preço justo a se pagar pela causa dos inimigo, que iraquianos e palestinos devem aceitar essas mortes como simples fato da vida tornam as coisas ainda mais ultrajantes. Ninguém deve ser obrigado a engolir isso.

    “Pode-se alegar “luta contra ocupação”; Mas mesmo uma luta contra ocupação, e dada a disparidade de forças, deve ser feita mediante bom senso”.

    Sim, os palestinos devem ter o bom senso de aceitar que são mais fracos e portanto devem aceitar todas as humilhações da maneira mais subserviente possível. Ou seja, nada a ver com moral nenhuma, simplesmente se vc é mais fraco deve calar a boca. É isso?

  13. E muita calma com essa retórica de “escudo humano”. Primeiro porque seria querer demais que num lugar denso como gaza o Hamas construisse as bases do seu braço armado num quarteirão isolado, como se dissesse “ei, quando quiserem nos destruir é só mirar aqui”. COnsiderando que os palestinos não dispoe nem mesmo de bateria anti aerea, seria estupidez demais, concorda?
    Segundo, Israel tem usado essa retórica para destruir e matar até mesmo pessoas que não fazem parte do braço armado do Hamas.

  14. É estranho observar uma caixa de comentário que só era ocupada por velhos amigos deixando recados ganhar vida própria. Já estou me sentindo meio Pedro Dória. :P

    Mas olha, José, não entendi em que os argumentos que vc elenca tornam o paradoxo do contra-terrorismo inexistente.

    Eu não disse que uma nação não pode reagir ao terrorismo. Só fiz questão de realçar o quanto é paradoxal algo como a 2ª Guerra do Líbano, em que o exército israelense matou mais civis do que a soma de todas as vítimas do Hezbollah antes da guerra. . Mesmo que achemos que a guerra necessária e justa, e que os terroristas sabiam o que estavam provocando, o paradoxo continua aí, na nossa frente.

    O que eu tentei demonstrar, Jose, é que diante desse paradoxo e das particularidades do caso palestino, a lógica nacionalista do “primeiro, os meus” se torna suicídio moral a longo prazo. Até a médio prazo, talvez, coisa ainda para a nossa geração. Condena Israel ou à destruição ou a construir um apartheid nos moldes sul-africanos. Qualquer das duas alternativas significa a morte do sionismo, ou de sua legitimidade.

    É impossível, portanto, ver “bom senso” na ação israelense contra o Hamas. Se formos bondosos com Israel, é no mínimo uma marcha de insensatez. Se formos bondosos, pq tenho a impressão que o establishment israelense se prepara para simplesmente aceitar um apartheid contínuo como um fato a ser suportado em nome da sobrevivência de Israel.

    O resto já foi dito pelo Kitagawa. Ah, obrigado, Kitagawa. :)

    Sobre a comparação que vc faz com a ditadura brasileira, bem, além da guerrilha ter sido frágil demais até pra conseguir ser desautorizada pela população, só um dado curioso: vc fala em explosão de aeroportos, quando só uma vez algo do tipo aconteceu – justamente onde eu moro, em Pernambuco, no aeroporto dos Guararapes, em 1966. Acho engraçado você lembrar disso quando atentados muito piores foram planejados pela ultra-direita militar na época, como o do Rio Centro, que só não se transformou numa carnificina por pura sorte.

  15. Pingback: Cruzados e orientais na Palestina « Céus do Norte

  16. Cosme, bom texto. Cheguei via PD.

    Vc aclara alguns pontos com competência.

    A resposta 1 está boa.

    Mas divirjo da 3.

    ” ..a lógica nacionalista do “primeiro, os meus” se torna suicídio moral a longo prazo”.

    Cosme, a História não confirma essa tese do suicídio moral q vc aponta.

    Em guerras, é um tanto inútil falar em desproporcionalidade de reação, de uso descabido de força, etc. Isso até pode ganhar uma repercussão momentânea, como agora, mas no longo prazo, torna-se objeto de interesse de historiadores. Sai do raio de visão do grande público. Os EUA não se aniquilaram moralmente por Hiroshima ou Nagasaki. E dá para arrumar vários outros exemplos.

    O ponto é: quem vence a guerra material, em geral (mas nem sempre), dá um jeito de vencer a guerra moral.

    Um outro aspecto da sua análise do qual discordo é querer julgar se Israel exagera ou não em suas precauções bélico-defensivas. É fácil, de nossa tradição anti-belicista no Brasil, ficar apontando o “over-belicismo” dos outros. Israel, incrustado em meio a inimigos q o querem aniquilado, parece-me ter razões para se armar até os dentes sim. E o rol de inimigos potenciais não se limita a lançadores de morteiros, como vc deve saber. Antes, havia o Egito. Agora, o Irã. Enfim, eu acho q a “paranóia” deita raízes na realidade.

  17. “o fato de ser uma democracia poderia finalmente ser um exemplo para outros países.”

    Gostei das respostas. É fato. Acho que foi o próprio Doria, anos atrás, quem arriscou dizer que para muitos países do mundo árabe a criação do estado palestino não é uma boa idéia por ser uma democracia árabe num mundo recheado de monarquias/dinastias/ditaduras/regimes fundamentalistas.

  18. um tanto inútil passar aqui apenas para dizer que gostei de suas análises e concordo com alguns argumentos, mas o tema é muito controverso e não tenho energia disponível para me dedicar à construção de argumentos arrebatadores sobre esse tema, nesse momento, portanto irei apenas levantar um pontinho; talvez ingênuidade minha, mas me parece que há uma aparente aceitação da superioridade moral de israel sobre os outros países do oriente médio, por parte de alguns comentadores, além de uma estranha aceitação da força bruta como argumento ultimo para legitimação do poder. assim fosse a história, assim como a guerra, seria algo monótono e previsível. No entanto a crença numa moral universal me parece um tanto utópica, e como vejo as coisas no momento, aceitar como justificável a morte de apenas um inocente é o mesmo que aceitar a morte de milhares ou milhões, o terrorismo apenas lança luz onde havia qualquer ilusão sobre a moralidade das nações. Em se tratando da guerra, apenas a eficácia para a obtenção dos objetivos últimos pode ser critério razoável para a definir como bom ou mau determinado ato. já no plano da filosofia política, poderíamos questionar moralmente os objetivos últimos da guerra travada por um ou outro estado, do ponto de vista da nossa ética particular, como indivíduos. A guerra é uma extrapolação da ativdade política e diplomática, recurso de influência por meio da ameaça, sua natureza é a mesma do terrorismo. Hora, se houvesse um poderoso exército convencional servindo à palestina, haveria no máximo uma guerra convencional, mais provavelmente a diplomacia. Não seria culpa de israel, ou dos estados unidos, encurralar e enfraquecer tanto seus adversários, que os levou a obrigação do uso do terrorismo? O terrorismo não é coisa nova, leia-se a arte da guerra de sun tzu, maquiavel ou clausewitz, ferocidade absoluta é o que se deve esperar de um inimigo encurralado. Mas e a rendição? Pode-se desvencilhar de quase tudo, mas não de sí próprio. O ser é para sí aquilo com o quê se identifica. Negar a identidade de um indivíduo, ou povo, ou nação, é acua-lo e condena-lo à morte, não espere, nesses termos, a rendição de um inimigo. Me perdoem se pareço homem desalmado e amoral, posso parecer até ignorante e idiota em algum sentido, mas há sempre um outro ponto de vista, paz ou liberdade não podem ser impostas, nem conquistadas à força, pois é ato de vontade defini-las. Como tudo no mundo, a força também carrega em sí a semente de seu contrário. Antes de se falar em Paz, ou Liberdade, para os povos do mundo, é preciso chegar a um acordo sobre o significado desses termos. um grande abraço, sem medo da contradição.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s